Plano de Atividades e Orçamento 2019 aprovados em Assembleia

No passado dia 8 de dezembro realizou-se a Assembleia Geral da ANACP para aprovação do Plano de Atividades e Orçamento para 2019, assim como a aprovação a lista delegados para as Assembleias da FPP.

Em 2019, a ANACP comemora o seu 10º aniversário, como forma de assinalar os 10 anos, pretende a ANACP organizar/promover um conjunto de iniciativas transversais às disciplinas da Patinagem, culminando com uma cerimónia em outubro.

Relativamente à lista de delegados, a maioria da direção definiu manter o critério de distribuição dos lugares de delegados pelos sócios fundadores e sócios que ocupam os órgãos sociais. Por lapso, reconhecido na Assembleia, a lista não seguiu em anexo, pelo que enviamos neste mail.

Posição sobre momento eleitoral na FPP
A ANACP foi contactada pela candidatura do Prof. Luis Sénica para apresentar o programa e a sua lista à direção da ANACP. Entendemos que mais importante que a direção são todos os clubes associados, pelo que informamos que iríamos ter uma Assembleia, onde poderia apresentar o seu programa e a sua lista.

Assim, antes da Assembleia a lista A apresentou o seu programa e a sua lista, seguido de um período de questões por parte dos clubes presentes.

A ANACP entende, independentemente do processo menos claro que levou ao atual momento eleitoral, que face às ideias/preocupações apresentadas pela Lista A, manifestar o seu apoio. Certo que este nunca poderá ser um apoio cego e incondicional, até porque existem assuntos que deverão ser resolvidos até ao final da época, onde a ANACP será uma entidade permanentemente fiscalizadora para que os assuntos não sejam prolongados como têm sido até à data.

Questões como transferências de atletas da formação, onde os clubes não recebem nenhuma verba e a verba paga é divida pela FPP e Associações e os principais responsáveis pela formação dos atletas nada recebem.

Questões como os atletas que na próxima época poderão ficar sem competição fruto da reorganização do escalão de Sub20, situação que a ANACP tem vindo a alertar desde 2014.

Questões como a Reforma Desportiva, ou seja, existem territórios onde as competições distritais/regionais são organizadas pelo numero mínimo, levando a que no fim dos apuramentos fiquem 3, 4 ou 5 clubes sem competição ou a competirem desde fevereiro entre si. A reforma passa pela intervenção da FPP junto das Associações e/ou mesmo por uma profunda reformulação dos quadros competitivos jovens.